sábado, 20 de setembro de 2014

PERRENGUE CANSATIVO EM MOSCOU


O Balé Nacional Russo esteve em Fortaleza esta semana, o que me fez lembrar de um pequeno perrengue que passamos em Moscou.

Viajamos para a capital russa em 2010. Decidimos viajar eu e meu marido, mas logo tivemos duas adesões: minha madrasta e meu irmão.

Fomos os 4, então, nos aventurar, sem excursão, sem guia e sem falar russo, pelas terras gélidas dos czares.

Preparando o roteiro, cismei que queria assistir a um balé. Ir à Rússia e não ver um espetáculo de balé seria como ir a Roma e não ver o Papa.

Pesquisei e no período em que iríamos só havia óperas em cartaz. Nada de balé.

Quinze dias antes de viajar apareceram, nos sites que eu estava buscando, ingressos para o balé Bolshoi, para o espetáculo Dom Quixote. No Teatro do Kremlin, já que o Teatro Bolshoi estava em reforma.

 Não hesitei e comprei ingressos para os 4 viajantes. E lá fomos nós passar frio na Rússia.

Na data do espetáculo, passeamos durante todo o dia e voltamos para o hotel apenas para trocar de roupa. O balé começaria às 19:00.

Saímos do hotel com alguma antecedência, e pegamos um táxi rumo ao Kremlin.

Ao pegar o táxi e soltarmos um “Good Evening”, sentimos logo que o motorista, a exemplo de boa parte da população russa, não falava inglês. E nós, como significativa parcela do povo brasileiro, não falávamos nada de russo.
 
Ingresso do balé

Mostramos os ingressos e, mímica vai, mímica vem, partimos.

O motorista nos deixou no Kremlin, prédio gigantesco que, segundo o Wikipedia, tem 24.000 metros quadrados.

Lépidos e fagueiros, fomos até a primeira portaria que encontramos, a poucos passos. Entregamos nossos ingressos para um guarda, que tampouco falava inglês. Ele viu nossas entradas e começou a fazer gestos, que para bom entendedor significavam “do outro lado”.

Claro, do outro lado. De um prédio de 24.000 metros quadrados. Nosso taxista, óbvio, já havia sumido. A noite caía e o frio aumentava.

Começamos a caminhar, depois de um dia exaustivo, e com sobretudos bem pesados. Havia a esperança de nos depararmos com alguma entrada logo que dobrássemos a esquina.

Viramos a esquina e nada. Apenas um muro gigantesco. E o tempo passando. Meu irmão, o detentor de mais fôlego dos 4, começou a correr. Depois começamos a correr atrás dele. E nenhuma portinha aparecia por entre as saliências da muralha.

Depois de mais de 40 minutos entre caminhada e corrida, avistamos grandes portões. Não era miragem. Era ali. Entramos e os portões foram trancados atrás de nós. Ou seja, mais um minuto e todo o esforço teria sido em vão.

O espetáculo, claro, já havia começado. Apresentamos nossos ingressos e fomos encaminhados para umas cadeiras na lateral do teatro. Só poderíamos ir para nossos assentos após o intervalo.

Sentamos nas confortáveis poltronas do Teatro do Kremlin. Luzes apagadas e refletores apenas no palco, onde bailarinos faziam jus à fama de melhor corpo de balé do mundo.

Uma música calma conduzia os artistas. Na plateia, 4 turistas brasileiros exaustos.

Não preciso dizer que, 10 minutos depois, meus companheiros de viagem contribuíram para a orquestra, com sons agudos de roncos.

Não me juntei ao coro. Mais do que qualquer outra coisa, o medo de sermos expulsos do teatro me fez apreciar, atenta e silenciosamente, tão bela arte.

   

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

UM LUGAR NA JANELA


Podem me julgar, mas nunca gostei dos textos da Martha Medeiros.

Por isso, quando vi o livro “Um Lugar na Janela”, hesitei em comprar.

Mas como não me controlo quando o assunto é viagem, resolvi dar uma quinta chance à autora. E não me arrependi.
 


 
 
O livro é ótimo. Não é um guia, mas memórias de passeios feitos em diversas épocas da vida. São relatos sobre Istambul, Santiago, Casablanca, Rio de Janeiro, Paris e outros lugares encantadores.

Viagens feitas acompanhada e sozinha, na juventude e na fase adulta, com e sem conforto. Para todos os gostos e propósitos.

Leitura que recomendo.
 
 
 

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

DIÁRIO DE BORDO - NEW YORK DAY 9


Post pequeno: último dia na Big Apple.

Acordamos cedo para arrumar malas.

Depois, fomos caminhar pela Times Square. Engraçado como a cidade muda quando a gente vê com olhos de despedida....

Para almoçar, escolhemos o Carmine´s, que se autodenomina um “Family Style Italian Restaurant”. A comida é boa (não é sensacional), os pratos são fartos e há menu kids.

Não pedimos sobremesa para podermos provar as delícias da sorveteria que fica próxima ao restaurante, a Ben & Jerry´s. Uma maravilha. Destaque para o milk shake.

 
 
Após a sessão gula, voltamos para o hotel, pegamos as malas e partimos. Porque melhor do que ir é voltar em paz!!!
 
 

 

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

DIÁRIO DE BORDO - NEW YORK DAY 8


Hoje fizemos um passeio que eu ainda não tinha feito em Nova York.

Fomos até a estação localizada na 2nd Ave com a 59th St e embarcamos no “The Tram” com destino à Roosevelt Island.

Se você não sabe do que estou falando, basta assistir ao filme Spiderman. O bondinho conhecido como “The Tram” aparece nas cenas da luta com o Duende Verde.

 
O bondinho sobe a uma altura de cerca de 80 metros. A vista é maravilhosa e o trajeto dura em média 5 minutos.

 
 
Ao chegar à Roosevelt Island, caminhamos até o Franklin D. Roosevelt Four Freedoms Park, um parque calmo e bem cuidado, ideal para as crianças descarregarem suas energias. Tomás e seu amigo rapidinho fizeram amizade com uma outra criança e transformaram o parque em um campo de futebol. Passeio tranquilo para fugir um pouco do burburinho de Manhattan.
 

 
Pegamos o bondinho de volta já na hora do almoço.

Almoçamos em um restaurante grego chamado Anassa Taverna. Comida muito boa e decoração bem clean.

Para a sobremesa, fomos ao Serendipity 3, uma mistura de loja e lanchonete super movimentada. A variedade de sundaes, banana splits e milk shakes é enorme. Valeu a pena cada minuto que passamos na fila de espera por uma mesa!

De lá, segui de metrô com minha amiga para a Century 21, uma loja de departamentos enorme, próxima ao local onde ficavam as Torres Gêmeas.

A Century 21 vende diversas marcas, inclusive Oscar de La Renta, Kate Spade, Hugo Boss, Michael Kors, tudo a preços bem acessíveis. Mas para bons achados é necessário ir com tempo, pois organização não é o forte da loja.

Antes de voltar para o hotel, ainda dei uma passada na Walgreens e na Duane Reade, duas farmácias ótimas para comprar cosméticos de marcas mais populares, como Revlon, Neutrogena e Maybelline.

Cheguei ao hotel bem tarde e pedi apenas uma pizza pelo room service. A viagem está chegando ao final.
 
 




sábado, 9 de agosto de 2014

CASAS DE ESCRITORES




Casa de José de Alencar

Semana passada estive na Casa de José de Alencar, escritor cearense que deu vida a Iracema, a virgem dos lábios de mel.

A casa localiza-se em Fortaleza, em um complexo bem arborizado, mantido pela Universidade Federal do Ceará. O local abriga ainda um restaurante, uma pinacoteca, um museu e ruínas de um antigo engenho de açúcar.

A visita à casa do meu ilustre conterrâneo fez surgir a ideia deste post, mostrando as casas de escritores que já visitei.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
Casa de Jorge Amado e Zélia Gattai

Conhecida como A Casa do Rio Vermelho, o lar dos escritores Jorge Amado e Zélia Gattai localiza-se em Salvador e será aberto ao público ainda este ano. No local, os fãs poderão ver peças de roupas, obras de arte, correspondências e diversos outros objetos pessoais.

No jardim, à sombra de uma mangueira, estão enterradas as cinzas do casal.

Eu já tive o imenso prazer de conhecê-la.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Casas de Pablo Neruda
  

Três casas que pertenceram ao poeta chileno estão abertas à visitação. Conheci duas delas.
 

A casa chamada “La Chascona” fica em Santiago e possui um grande acervo de objetos pessoais do escritor e de sua terceira mulher, Matilde Urrutia.

 

Em Isla Negra, a 100km de Santiago, fica a casa que eu considero mais bonita. Às margens do Oceano Pacífico, a casa abriga, em seu jardim, os restos mortais do poeta.
 
 

 

 
 
 
 
 

Casa de Ernest Hemingway

A casa do escritor norte americano localizada em Key West é linda.

Cercados de muito verde, transitam pela casa vários gatos descendentes de Snowball, gato do romancista que, devido a uma mutação genética, possuía seis dedos.
 

 
Só depois de visitar a casa soube que muitos dos gatos que moram lá também possuem seis dedos. Infelizmente, não conferi a informação.

 

 







 

 

 

 

 



quarta-feira, 6 de agosto de 2014

DIÁRIO DE BORDO - NEW YORK DAY 7


Hoje o dia foi dedicado às compras do Tomás.

Não costumo comprar roupas caras para ele, muito menos presentes fora de época. Festa de aniversário, há muito tempo não faço.

Mas sempre que viajamos, damos uma certa quantia de dinheiro, na moeda local, para Tomás gastar como quiser. Chega a ser engraçado a forma como ele pesquisa e pondera antes de comprar qualquer coisa. Ele valoriza cada centavo.

Começamos o passeio pela Macy´s. Quis mostrar para ele a maior loja de departamentos do mundo.

De lá, seguimos para a Game Stop, loja de vídeo games. Perdi as contas das vezes que tivemos que voltar lá, pois Tomás, após muita reflexão, resolvia que “valia a pena” comprar mais algum item. 


Na ToysRus, nada de compras. O alvo era a roda gigante que fica no meio da loja. Cinco dólares por pessoa. Tentei convencer o Tomás que aquilo não era um bom investimento. Ele contra-argumentou:

-Mãe, essa é a única roda gigante que eu conheço que fica dentro de uma loja...

E lá fomos nós.
 

 
Paramos para almoçar no McDonald´s e, após o almoço, demos uma volta na loja da Hershey’s. Adoro esse chocolate!

Fomos ainda na Disney Store. A Minnie fantasiada de Estátua da Liberdade é um charme!

Por último, visitamos a loja da Hallmark. Destaque para os produtos do Snoopy.

Voltamos para o hotel com Tomás ansioso para abrir os pacotes. E eu só pensando em como acomodar tudo na mala...

Prato do Bull & Bear Steakhouse




 
À noite, jantamos no Restaurante Bull & Bear Steakhouse, que fica no próprio hotel e é considerado um dos melhores restaurantes de carne de Nova York. Comida saborosa e pratos fartos. Aprovado.

sábado, 2 de agosto de 2014

DIÁRIO DE BORDO - NEW YORK DAY 6

 
Saímos do hotel vestidos de verde e amarelo, pois era dia de jogo da Copa.

Por toda a cidade, pessoas com camisa do Brasil. Na loja da Apple, só os vendedores usavam camisa de outra cor. A gente nem desconfiava do que a Alemanha ia fazer...

Depois de conferir as novidades tecnológicas, seguimos para o Central Park. Caminhamos um pouco e entramos no zoológico.
 

O zoológico é pequeno, mas muito bem cuidado. O ponto alto são os pinguins.
 
Relógio do zoológico

Almoçamos em uma lanchonete do zoológico chamada Dancing Crane Cafe. No cardápio, a típica junk food: Hambúrguer, batata frita, nuggets, pizza, refrigerante.

 
 
 
Após o almoço, voltamos para o hotel para assistir ao jogo Brasil X Alemanha. Que decepção!

Como consolo, nossa programação noturna era especial: Afogamos as mágoas no Madison Square Garden, assistindo ao show de Michael Bublé.

Tomás ficou na casa dos amigos e, como não deu tempo de jantar antes do show, comemos no próprio MSG. Lá há várias lanchonetes com diferentes opções de comidas rápidas. Eu assisti ao show comendo Nachos com queijo Cheddar!!

Que espetáculo! Que voz! Quanto talento! Simplesmente imperdível. E pelo que eu soube, ele estará no Brasil ainda este ano. Recomendadíssimo!
Abaixo, um vídeo com um pouquinho do show!
 
  video
 
 
 

 
 
 
 
 
 
 
 
 

domingo, 27 de julho de 2014

DIÁRIO DE BORDO - NEW YORK DAY 5


Saímos do hotel e seguimos para o Soho, pois Newton se empolgou quando eu cheguei no hotel no dia anterior dizendo que em Nova York não há imposto sobre roupas e sapatos.

Após a sessão compras masculinas, fomos ao Bryant Park, que estava bem movimentado, com várias mesinhas ao ar livre.

Escolhemos lá mesmo um restaurante para almoçar: Bryant Park Grill. O restaurante é lindo, todo em vidro, com vista para o parque. Mas confesso que o ambiente é melhor que a comida!

Depois do almoço, fomos para o Museu de Cera Madame Tussauds. Nunca havia ido a esse museu, em nenhuma cidade. O ponto alto da visita, para o Tomás, foi assistir, no teatro do museu, ao Marvel Super Heroes 4D Experience, um filme em 4D bem bacana.
 
Com Woody Allen

No final da tarde, Tomás foi para a casa dos amigos e nós seguimos para o Meatpacking District, uma região de Nova York que eu ainda não conhecia.

Fomos no Chelsea Market, uma espécie de mercado gourmet, com vários restaurantes, lojas de vinhos, mas que também abriga lojas de roupas e livrarias. O mais interessante é que naquele local funcionava uma fábrica de biscoitos e muito da estrutura antiga foi mantida.

Conhecemos, lá próximo, o High Line Park, que é um parque suspenso construído em um linha de trem desativada. Os trilhos permanecem lá, no meio das plantas bem cuidadas.

Continuamos caminhando e escolhemos para jantar, aleatoriamente, o STK Rooftop, um restaurante localizado no terraço de um prédio.

O restaurante é de altíssimo nível e descobrimos que está entre os mais descolados da cidade. O público é um capítulo à parte: A pessoa com o visual mais conservador do lugar tinha cabelo roxo...
 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Além da aparência fashion dos frequentadores, a vista do rio Hudson e a qualidade da comida são destaque. Mais Nova York do que isso impossível...



 

segunda-feira, 21 de julho de 2014

DIÁRIO DE BORDO - NEW YORK DAY 4


“Venham a mim as massas exaustas, pobres e confusas ansiando por respirar liberdade. Venham a mim os desabrigados, os que estão sob tempestade. Eu os guio com minha tocha.”

Pela introdução do post, já dá pra saber qual foi o nosso destino de manhã? A frase acima está escrita no pedestal da Estátua de Liberdade!

Chegamos ao Battery Park debaixo de um sol escaldante. Pegamos uma fila bem grande tanto para comprar os ingressos como para entrar na barco que leva à Liberty Island.
 

Apesar do calor, o dia estava muito bonito. Tomás ficou deslumbrado diante do monumento símbolo de Nova York!

Voltamos ao Batttery Park e seguimos a pé até o local onde ficavam as torres gêmeas, passando pelo touro de Wall Street.

No caminho, fui explicando ao Tomás, sem muitos detalhes, o atentado que derrubou as torres. Ele ficou impressionadíssimo, para não dizer chocado.

No local em que ficavam as torres foram construídas duas fontes enormes, e nas paredes delas, os nomes das vítimas.

 
 
Pensamos em visitar o Museu Nacional do 11 de Setembro, que já foi inaugurado, mas achei melhor deixar para outra oportunidade, para Tomás não ficar ainda mais assombrado.

Almoçamos em Little Italy, em um restaurante chamado La Mela. Simples, mas com uma comida saborosa e pratos fartos.
 
 

Depois, saí caminhando com minha amiga e fomos fazer comprinhas no Soho. A melhor notícia do dia foi saber que sobre roupas e sapatos não havia incidência de impostos. Ou seja, o valor da etiqueta é o valor final!

Dica mulherzinha: A loja Ricky’s tem todos os produtos possíveis e imaginários para cabelo. Um paraíso!

Com algumas sacolas na mão, voltei para o hotel esgotada!

Pedimos room service e fomos descansar para mais um dia na big Apple.

 

 
 
 


sexta-feira, 18 de julho de 2014

DIÁRIO DE BORDO - NEW YORK DAY 3


Acordamos cedo, tomamos café no hotel e seguimos para o Intrepid, porta-aviões museu.

O ingresso dava direito ao áudio guia e a brincar em um simulador. Newton e Tomás foram no G-Force Simulator. Como essa não é minha praia, com meu ingresso Tomás foi no Transporter FX.

O museu é interessantíssimo. Além do fato de você estar dentro de um porta-aviões que participou de várias guerras, você vê de pertinho um Concorde, o avião comercial mais rápido do mundo; um submarino lança mísseis; a Enterprise, que serviu de protótipo para os ônibus espaciais, dentre outras atrações. Imperdível.

 
 
 
 

Enterprise
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
De lá, almoçamos no Shake Shack, onde você pode experimentar um dos melhores hambúrgueres de Nova York. Há várias filiais espalhadas pela cidade, e todas são bem lotadas.

Assistimos à sessão vespertina do espetáculo da Broadway Mamma Mia. Com trilha sonora composta por músicas da Banda sueca Abba, a peça é excelente. Recomendo.

 
 
 
Como Mamma Mia não é um espetáculo interessante para crianças, Tomás foi com os amiguinhos e o pai deles para uma exposição chamada The Avengers S.T.A.T.I.O.N. Exhibition. Não preciso dizer que ele amou!

Depois da peça, uma passadinha na Sephora, que ninguém é de ferro!

À noite, jantamos em um dos restaurantes mais renomados de Nova York, o Daniel. Atendimento impecável, comida excelente. Quanto ao preço, ainda estávamos celebrando o aniversariante do dia anterior, o que justificou a extravagância. Como o restaurante não é kids friendly, Tomás ficou na casa dos amigos.

Encerrada a noite em grande estilo, hora de voltar para o hotel e descansar para o dia seguinte!

 

 

 

 


quarta-feira, 16 de julho de 2014

DIÁRIO DE BORDO - NEW YORK DAY 2


Dia 04/07. Dia da Independência dos Estados Unidos. Dia do jogo Brasil X Colômbia. Acima de tudo, dia do aniversário do marido.

Para comemorar os 4.0 dele, mandei fazer, antes de viajar, umas camisetas para usarmos no dia.
 
Tomás, seu sorriso natural e a camisa em homenagem ao pai.
 

Acordamos cedo, tomamos café no hotel e fomos até a loja de eletrônicos B & H, uma espécie de Best Buy.

Nunca vi atendimento melhor. A loja é de propriedade de judeus, e como era uma sexta-feira, dia do Shabat, fecharia às 14:00 e somente reabriria no domingo às 10:00.

De lá, fomos ao Museu de História Natural, que confesso ainda não conhecia. De fato impressiona, principalmente as salas dos dinossauros. No teatro do museu, assistimos a um filme 3D chamado "Mysteries of the Unseen World". Muito bom. 

 
Para celebrar o aniversariante, almoçamos no Tavern on the Green, restaurante dentro do Central Park e onde comemoramos, em 2008, nosso aniversário de casamento.

O restaurante passou um tempo fechado e reabriu com nova decoração e novo cardápio. Para nós foi um pouco decepcionante. As opções do menu estão bem limitadas e o ambiente anterior era mais aconchegante.


Sobremesa do Tavern on the Green
 
 
Após o almoço e debaixo de chuva, seguimos para o hotel para assistir ao jogo do Brasil.

À noite ficamos sem programação, pois o dia 4 de julho é celebrado em Nova York com uma tradicional queima de fogos promovida pela loja Macy’s.

Havíamos reservado, com meses de antecedência, um restaurante em New Jersey, de onde poderíamos ter uma vista privilegiada dos fogos de artifício.

Duas semanas antes de embarcamos, descobrimos que o Prefeito de Nova York havia alterado o local da queima de fogos e de onde iríamos jantar não conseguiríamos ver nem a fumaça.

Tentamos reservar outro restaurante, com vista para a ponte do Brooklyn, novo local da atração, mas, como era de se esperar, já estava tudo lotado.

Decidimos, então, pedir room service e dormir cedo. O dia seguinte seria bem agitado.

 

segunda-feira, 14 de julho de 2014

DIÁRIO DE BORDO - NEW YORK DAY 1


Saímos de Fortaleza na quarta-feira, dia 02/07, com destino à São Paulo, no voo da TAM das 17:30. Em São Paulo, embarcamos para Nova York no voo das 22:30.

Cheguei na cidade que nunca dorme sem ter dormido nada. O avião balançou a noite toda.

Fizemos early check-in no Waldorf Astoria Towers. Ficamos hospedados no mesmo andar da suíte presidencial e fomos convidados a conhecê-la. Simplesmente sensacional. No quarto, a cadeira de balanço de Kennedy.
 

 
 
Após nos acomodarmos, encontramos grandes amigos que agora moram lá. A primeira pergunta que me fizeram:

-O avião balançou muito? Está chegando o Furacão Arthur que promete trazer muita chuva!!

Obrigada por me manter acordada a noite inteira, Mr. Arthur.

Saímos do hotel a pé, para apresentar ao Tomás o coração do mundo. Passeamos pela 5ª Avenida, Rockefeller Center, Trump Tower, Broadway e Times Square. Não necessariamente nesta ordem. Mas o coração dele bateu forte foi diante da Fao Schwarz e da Toysrus.
 
Rockefeller Center

 
Como a Catedral de Saint Patrick está em reforma, optamos por entrar na Saint Thomas Church e agradecer ao Santo a oportunidade de estar na Big Apple com o pequeno xará dele.
 

 
Almoçamos no Red Lobster da Times Square. Comida boa e barata, além de um menu infantil bem bacana.

À noite, debaixo de chuva (Thanks again, Mr. Arthur), saímos para conhecer o Eataly. Localizado na 5ª Avenida, o Eataly reúne em um só lugar o que há de melhor na culinária italiana. Você pode comprar os mais finos ingredientes (queijos, vinhos, oréganos, massas, azeites) nas lojinhas ou escolher dentre as diversas opções de restaurantes, pizzarias e sorveterias.  



 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Após comer uma lasanha divina, voltamos para o hotel. A viagem estava apenas começando.

 

 

      

domingo, 8 de junho de 2014

MANNEKEN PIS


Manneken Pis, estátua de bronze de um menino urinando em uma fonte, é uma das principais atrações de Bruxelas.

Não há certeza quanto à inspiração para a estátua. Alguns contam que um menino salvou a capital belga de um incêndio com seu xixi, apagando a chispa de uma bomba inimiga. Outros, que um rico burguês da cidade perdeu seu filho nas ruas do centro e, finalmente, o encontrou na posição em que se encontra a estátua hoje.

Para muitos, essa atração poderia ser inserida no tópico “Decepções de Viagem”. Não concordo. Afinal, nunca esperei nada além do que ela realmente é.

Mas o mais interessante não é a estátua em si. É o guarda roupa dela. Isso mesmo! O Manneken Pis é vestido de acordo com as diversas datas comemorativas.

Estivemos em Bruxelas (dicas da cidade aqui) em um 4 de julho. E adivinhem? O menininho estava vestido de Tio Sam!!!

Seus trajes (mais de 100 peças) estão expostos no Museu da Cidade de Bruxelas.

 
 
 
 
Aqui em casa Tomás fez a versão dele para o célebre monumento. Um esqueleto que montamos a partir de encartes semanais vendidos nas bancas de revistas. 34 encartes. 34 semanas comprando ora uma mão, ora um rim.

 
E para diminuir a má impressão que um esqueleto sempre traz, ele resolveu vesti-lo de acordo com as datas festivas. No Natal passado, nosso Manneken Pis tupiniquim foi um lânguido Papai Noel. E agora, é um torcedor fervoroso!

 
 
 
 
 
 
 
 
 
Apesar de contar com um guarda roupa de apenas 2 trajes, a “estátua” já é uma atração para aqueles que visitam nossa casa!!  

 


domingo, 4 de maio de 2014

TRAVEL BUCKET LIST

Respondendo a uma enquete essa semana, tive a ideia de fazer minha travel bucket list. Nela estão os 10 locais que desejo conhecer, incluindo destinos no Brasil e no exterior. O primeiro é realmente o mais desejado. Os outros estão numerados mas não seguem nenhuma ordem prioritária! 
 

1.       Salzburgo, para fazer o tour da Noviça Rebelde
Já assisti a esse filme mais de 20 vezes (sem qualquer exagero). Já li o livro sobre a história da Família Von Trapp, tenho o DVD, o Blu Ray, o CD com a trilha sonora, caixinhas de música. Sou fã incondicional. Daí Salzburgo estar no topo da minha travel bucket list. Fazer o tour pelos cenários do filme é um sonho antigo!
 
 
2.       Berlim
 
Na verdade, não conheço nada da Alemanha. Conhecer Berlim já seria um bom começo...
 
 
 
 
3.       Califórnia de Motorhome
 
Tenho vontade de viajar de motorhome para qualquer lugar. Pelo que já li, a Califórnia oferece ótima estrutura para esse tipo de transporte.
 
 
 
 
 
4.       Campos do Jordão
Estive em Gramado mas nunca em Campos do Jordão. Quem já esteve nos dois locais sempre acaba comparando. Conheço quem prefira Gramado e quem vote de olho fechado em Campos do Jordão. Gostaria de tirar minhas próprias conclusões!
 
 
 
5.       Araxá
 
Alguns lugares estão na minha lista em razão da hospedagem. Araxá é um deles. Morro de vontade de conhecer o Tauá Grande Hotel e Termas do Araxá, inaugurado em 1944 por Getúlio Vargas e com jardins e projeto paisagístico de Burle Marx.
 
 
 
 
6.       Bariloche
Já estive algumas vezes na Argentina mas nunca fui a Bariloche. Gostaria de ir para comparar com Valle Nevado, no Chile, que conheci ano passado.
 
 
7.       Giverny, na França, para conhecer os jardins de Monet
Giverny fica pertinho de Paris e já tentei ir algumas vezes mas não consegui. Em uma delas, no dia reservado para o passeio, os transportes públicos de Paris entraram em greve e as 05 locadoras que buscamos não tinham sequer um carro disponível. Da última vez, era fevereiro e a casa e os jardins de Monet só abrem para visitação de abril a novembro.  
 
 
 
8.       Foz do Iguaçu
Conheci Niagara Falls e, pelo que li, é uma torneirinha se comparadas às cataratas do Iguaçu. Porém, mais do que comprovar essa afirmação, minha vontade é conhecer o Hotel das Cataratas, da rede Orient Express, que fica dentro do Parque Nacional do Iguaçu.
 
 
9.       Alasca
Morro de vontade de fazer um cruzeiro pelo Alasca. As paisagens devem ser deslumbrantes.
 
 

 
 
 
 
 
 
10.     Grécia
Não conheço nada da Grécia. Nesse destino, poderia matar dois desejos de uma só vez: conhecer o país e viajar em um veleiro!
 
grecia2
 
 
 
 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...